Governo Provincial de Cabinda
Economia

Impostos e emolumentos voltam a ser pagos na Repartição de Lândana

David Alfredo Chana, indicou que os constrangimentos que estavam na base da paralisação dos serviços da repartição fiscal a mais de 4 anos, devido aos constantes assaltos de equipamentos e meios informáticos que vinham sendo praticados por parte dos meliantes, “foram ultrapassados e que existe luz verde para que no final deste mês os serviços retomam as suas actividades normais”.

Temos vindo a trabalhar para que os serviços retomem as suas actividades. As finanças ao nível central e provincial envidam esforços conjuntos para acudir essa situação que data de alguns meses e que tem criado enormes dificuldades aos contribuintes que se deslocam dos municípios do norte para irem ao balcão de Cabinda”, lamentou.

David Alfredo Chana, enalteceu os esforços que a sua direcção provincial das Finanças tem empreendido sobretudo no que diz respeito aos trabalhos de pintura que está a merecer o único edifício que atende os municípios de Cacongo, Buco-Zau e Belize para que o mais rápido possível se finalizam os trabalhos.

Garantiu ainda que, já foi seleccionada a firma que vai esta segunda-feira efectuar a instalação dos novos equipamentos sobretudo os meios informáticos dando assim as previsões do arranque dos serviços ainda no final deste mês de Junho.

Pensamos que tudo caminha bem. Existe esforços da direcção provincial e central para que os trabalhos de instalação dos equipamentos seja feita a partir de segunda-feira e daí pensarmos iniciar nossas actividades ainda no final deste mês”, assegurou.

Recorde-se que o Delegado Provincial das Finanças em Cabinda, Sebastião Miguel, já havia justificado em Abril último que as razões da inoperância até ao momento dos Serviços da Repartição Fiscal de Lândana e o não funcionamento desta instituição nos municípios de Buco-Zau e Belize deve-se ao facto de ainda não estarem criadas as condições de reposição dos equipamentos roubados na instituição (Lândana) e do aval por parte do Ministério com relação ao interior da província.

Sublinhou ser legítima as constantes reclamações da população, assegurando que muito brevemente a situação será ultrapassada tendo em conta os contactos que tem vindo a manter com o ministério de tutela.

Sublinhou mesmo que a inoperância dos serviços da repartição fiscal de Lândana (Cacongo), a cerca de 4 anos, deve-se ao facto da falta de equipamentos, meios esses roubados em consequência de constantes assaltos registados nas instalações.

A repartição fiscal de Lândana é a única que presta serviços aos cidadãos dos municípios de Buco-Zau, Belize e Cacongo. Desde o seu encerramento forçado os contribuintes que por via da delegação de finanças cumprem seus compromissos com o Estado, são obrigados a se deslocar a cidade de Cabinda (cerca de 46 km - Cacongo, 120km Buco-Zau e 220 km - Belize) para junto da repartição de finanças, honrarem os seus compromissos.

Para tal, Sebastião Miguel não afirma para quando a reabertura desses serviços nos municípios sedes de Buco-Zau e Belize com vista a acudir as dificuldades que se registam por parte das populações destas áreas.

Pedro João